CBN - A rádio que toca notícia

POLÊMICA

Pai de Marielle: Excludente de ilicitude vai matar negros e negras primeiro

Violência de Estado e genocídio da população preta foram temas do Encontro Internacional da Coalizão Negra Por Direitos

30/11/19, 19:18

À
s vésperas da semana em que a Declaração Universal dos Direitos Humanos completará 71 anos, a Coalizão Negra por Direitos encerrou seu primeiro encontro internacional em São Paulo trazendo à tona os desafios das garantias dos direitos básicos para a população preta no Brasil e no mundo. Em uma das falas mais emocionantes, o pai da vereadora Marielle Franco, Antônio Francisco da Silva Neto, destacou o que significa o projeto de lei apresentado pelo governo de Jair Bolsonaro que prevê o abrandamento de punições para agentes de segurança. “O excludente de ilicitude vai matar a nós, negros e negras, primeiro”, afirmou.

Francisco, do Instituto Marielle Franco, no Rio de Janeiro, classificou como um risco para a população preta o PL que tramita no Congresso para que agentes de segurança não sejam punidos e responsabilizados criminalmente por excessos durante a atuação, inclusive em casos de assassinatos. 

Durante sua fala, ele afirmou também que os avanços em políticas públicas e nas condições de vida nas últimas décadas são insuficientes para sanar os problemas enfrentados pela população negra. “Existem direitos humanos no Brasil? Não. Se existissem, não estaríamos debatendo o assunto aqui.” 

Francisco ressaltou que a família da vereadora é contra a federalização das investigações do assassinato de Marielle, ocorrido março de 2018 e até hoje não esclarecido, por temor de que o governo federal de Jair Bolsonaro tenha controle sobre as apurações.

Resistência

As falas de Francisco foram feitas durante a mesa que abriu a programação do último dia do Encontro Internacional da Coalizão Negra por Direitos, “Resistência à violência do Estado e ao genocídio negro: extermínio, encarceramento, pacote Moro”.

Além dele, também participaram do debate Debora Maria, do movimento Mães de Maio, de São Paulo; Giselle Florentino, do projeto Direito à Memória e Justiça Racial, do Rio; Katiara Oliveira, da Rede de Proteção e Resistência ao Genocídio, de São Paulo; Railda Silva, da  Associação de Amigos e Familiares de Presos (Amparar), de São Paulo; Rute Fiuza, do Coletivo de Mães e Familiares de Vítimas do Estado da Bahia; e Thenjiwe McHarris, do Blackbird, Movement for Black Lives, dos Estados Unidos.

As formas de resistência e organização seculares contra a violência racial e a necessidade de continuidade nesses processos foram norteadores das falas dos participantes da mesa. O grupo discutiu as possibilidades de combate e resistência, não só à violência física, mas às desigualdades econômicas e sociais que estimulam essa e outras formas de agressão ao povo preto. 

Genocídio

Katiara Oliveira, da Rede de Proteção e Resistência ao Genocídio, citou diversos casos recentes de morte e desaparecimento de jovens negros, principalmente na cidade de São Paulo, e ressaltou a importância de que a resistência seja feita nos territórios em que vive a população preta. “O Estado genocida é criativo e chama de segurança pública o que, na verdade, é necropolítica”, declarou.

Ela destacou que a resistência é tarefa urgente. “O poder popular vai acabar com o genocídio neste país e serão tantas Marielles que não vai ter bala que vai dar conta.”

Milícias e branquitude

O crescimento das milícias como sistema de controle social, não só no Rio de Janeiro, mas em todo o Brasil, também foi tema da mesa. Giselle Florentino, do projeto Direito à Memória e Justiça Racial, ressaltou que esses grupos estão à frente e lucram com a prestação de serviços essenciais nas comunidades. Ela destacou que o debate sobre segurança pública não pode mais ser pautado pela branquitude. “A milícia é o que o Estado oferece para o povo preto. Estamos falando de articulação de poder e do Estado como máquina de violação dos corpos pretos. Não seremos inseridos porque o racismo alavanca o capitalismo”, analisou.

Para garantir a efetividade das discussões e ações de combate à violência e ao genocídio da população preta, o grupo tratou sobre a necessidade de ocupação de espaços de decisão, ainda majoritariamente brancos. Débora Maria, do movimento Mães de Maio, foi taxativa quanto ao tema. “Não aceitamos mais ser estudados”, afirmou, no sentido de que a população negra não deve ser objeto de estudos, mas sujeito e protagonista na elaboração do debate.

Débora acrescentou ainda que é preciso combater o racismo no sistema judiciário e buscar intervenções nas instâncias governamentais federais, estaduais e municipais. “Nós não somos números, nós somos realidade”, declarou.

O 1º Encontro Internacional da Coalizão Negra Por Direitos foi realizado na Ocupação Nove de Julho, umas das mais emblemáticas da cidade de São Paulo. Encravada na região central da cidade, a ocupação abriga mais de 120 famílias e se tornou símbolo da luta pela moradia. A Coalizão reúne mais de 100 organizações para articulação e incidência política no Congresso Nacional e em fóruns internacionais.

Fonte: JL/Brasil de Fato
TODAS AS NOTÍCIAS DO PORTAL
11/12/19, 22:04 | ECONOMIA - Proposta de Bolsonaro para o funcionalismo é cortar 25% do salário com uma carga horária menor
11/12/19, 21:10 | CARNAVAL - Nanda Marques é coroada rainha de bateria da Acadêmicos do Dendê
11/12/19, 21:05 | DECISÃO - Contrariando Bolsonaro, Justiça determina que PRF volte a usar radares móveis em rodovias
11/12/19, 21:00 | RECURSOS - Senado aprova transferência de verbas para prefeitos e governadores
11/12/19, 20:56 | SAÚDE - Bolsonaro faz exame para investigar possível câncer de pele
11/12/19, 18:24 | POLÊMICA - Debate sobre Carteira Verde e Amarela divide opiniões na Câmara
11/12/19, 18:17 | POLÊMICA - Justiça mantém suspensão da PEC da reforma da Previdência de São Paulo
11/12/19, 18:11 | POLÍTICA - Olavo de Carvalho, 'guru' de Bolsonaro, manda militares fecharem partidos
11/12/19, 17:53 | POLÍTICA - Lula diz que o fascismo é construído por meio da mentira: “Um miliciano não respeita ninguém”
11/12/19, 17:46 | CULTURA - Bumba Meu Boi do Maranhão se torna Patrimônio Cultural da Humanidade
11/12/19, 17:30 | SENADO - Vira lei obrigação de notificar casos de violência contra a mulher em 24 horas
11/12/19, 17:26 | POLÊMICA - CCJ do Senado confirma aprovação de PL da prisão após condenação em 2ª instância
11/12/19, 12:25 | POLÍTICA - LULA: ‘Quem está no governo está para destruir, não para construir’
11/12/19, 12:18 | POLÍTICA - Joice Hasselmann é confirmada líder do PSL na Câmara dos Deputados
11/12/19, 12:08 | ECONOMIA - Prefeito do Maranhão baixa decreto e fixa preço do quilo da carne a R$ 12 com osso e R$ 15 sem osso
11/12/19, 12:01 | INTERNACIONAL - Greta Thunberg, a “pirralha para Bolsonaro”, é eleita personalidade do ano pela revista Time
11/12/19, 11:40 | POLÍTICA - TSE confirma cassação da senadora Selma Arruda, conhecida como “Moro de saias”
10/12/19, 19:47 | SAÚDE - Anvisa atesta segurança de alimentos, mas 23% têm resíduos tóxicos
10/12/19, 19:44 | POLÍTICA - Alcolumbre não pautará votação do PL da prisão em segunda instância
10/12/19, 19:40 | ACIDENTE - Cratera se abre em obra em Brasília e arrasta quatro carros
10/12/19, 15:59 | LAVA JATO - STJ MANDA SOLTAR PEZÃO
10/12/19, 14:53 | MOBILIZAÇÃO - Trabalhadores alertam população dos riscos da carteira de trabalho verde-amarela: ‘Governo mente’
10/12/19, 14:49 | HERMANOS - Alberto Fernández toma posse como presidente eleito da Argentina
10/12/19, 13:01 | POLÍTICA - Pacote anticrime passa pela CCJ e vai ao plenário do Senado
10/12/19, 12:30 | POLÍTICA - Comissão do Senado dá primeiro passo para aprovar prisão após condenação em 2ª instância
10/12/19, 11:47 | ESPORTE - Flamengo domina premiação do Campeonato Brasileiro
10/12/19, 11:12 | PESQUISA - Datafolha: Maioria dos brasileiros considera justa liberdade de Lula após decisão do STF
10/12/19, 10:41 | POLÍTICA - Audiência Pública avaliou os impactos negativos das candidaturas avulsas
10/12/19, 10:36 | POLÍTICA - Ministro Barroso ressalta pluralidade dos debates e dos argumentos pró e contra as candidaturas avulsas
10/12/19, 10:07 | DEBATE - Strans escuta população sobre transporte público em Teresina
« Anterior 1 - 30 | 31 - 60 | 61 - 90 | 91 - 120 | 121 - 150 | 151 - 180 | 181 - 210 | 211 - 240 | 241 - 270 | 271 - 300 Próximo »
JORNAL LUZILANDIA - O Futuro Começa Aqui
Copyright 2003 - Todos os direitos reservados
SITE FILIADO À LITIS CONSULT - REPRESENTAÇÕES COMERCIAIS
CNPJ nº 35.147.883/0001-41 / CCN Comunicação.com Nordeste
Jornalista Renato Araribóia de Britto Bacellar - Homenagem Especial
Luzilândia - Teresina - Piaui - Brasil
CEP:64049-600 - Rua Lemos Cunha, 1544 - Ininga- Teresina-PI
Telefones: (86) 8804.2526 - 8100.6100
jornalluzilandia@hotmail.com | jornalluzilandia@gmail.com
création de site