CBN - A rádio que toca notícia

ECONOMIA

Maior parte do abono salarial beneficia menos pobres, revela Tesouro

Para o secretário do Tesouro Nacional, Mansueto Almeida, o benefício passou a ser ineficiente na distribuição de renda

01/12/19, 15:55

C
riado para estimular a formalização no mercado de trabalho, o abono salarial está beneficiando principalmente os menos pobres. Essa é a conclusão de estudo do Tesouro Nacional divulgado essa semana sobre os gastos com benefícios trabalhistas.

De acordo com o estudo, 58,3% dos recursos do abono salarial pagos em 2017 foram apropriados pelos 50% menos pobres da população, que ganham mais de R$ 1.220 mensais, de acordo com a Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios (Pnad), do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). Entre 1997 e 2017, a fatia paga aos 30% mais pobres caiu de 24% para 17%.

Segundo o estudo, o abono salarial – espécie de 14º salário pago a trabalhadores com carteira assinada que ganham até dois mínimos – tornou-se um benefício mal focalizado por causa de valorização do salário mínimo. Essa política beneficiou os trabalhadores formais mais pobres, porém aproximou o salário mínimo do salário mediano da economia nas últimas décadas, deixando de concentrar-se na parcela mais pobre da população.

Para o secretário do Tesouro Nacional, Mansueto Almeida, o benefício passou a ser ineficiente na distribuição de renda. “O filho de bilionário que esteja no primeiro emprego e receba entre 1 e 1,5 salário mínimo pode ter direito a abono. É a regra do benefício. Já o Bolsa Família, pelo contrário, vai de fato para mais pobres, é bem focalizado. O Bolsa Família é um programa barato, que custa cerca de 0,5% do PIB [Produto Interno Bruto, soma dos bens e serviços produzidos]. Temos de tornar o gasto público mais distributivo”, disse Almeida ao divulgar o estudo.

Na reforma da Previdência, o governo tentou restringir o pagamento do abono salarial aos trabalhadores que recebem apenas o salário mínimo. A Câmara dos Deputados aumentou um pouco o limite, para 1,2 salário. O Senado, no entanto, derrubou a mudança na votação em primeiro turno, mantendo as regras atuais e reduzindo a economia com a reforma em R$ 76,4 bilhões nos próximos dez anos.

Gastos

O estudo analisou a evolução dos gastos do abono salarial e do seguro-desemprego. Segundo o Tesouro, as despesas com os dois principais benefícios trabalhistas do país continuarão a aumentar nos próximos anos em ritmo maior que o crescimento da economia e pressionarão cada vez mais o teto de gastos.

De acordo com o estudo, os gastos com o abono salarial subirão 41,6% de 2018 a 2030, numa expansão de 2,9% ao ano. As despesas com o seguro-desemprego saltarão ainda mais: 50,1% no mesmo período, equivalente a 3,4% ao ano.

Para estimar o PIB, o documento considerou as projeções da Secretaria de Política Econômica do Ministério da Economia, que apontam crescimento da economia de 0,9% em 2019, 2,32% em 2020 e 2,5% ao ano de 2021 a 2023. Não foram divulgadas estimativas do PIB para os demais anos.

O Tesouro não pressupõe a mudança nas regras de concessão dos benefícios. Para o salário mínimo, o estudo considerou o reajuste apenas pelo Índice Nacional de Preços ao Consumidor (INPC) até 2022 e pelo INPC mais o crescimento do PIB de dois anos antes a partir de 2023.

Evolução

Apenas em 2018, o Brasil gastou R$ 53,6 bilhões (0,78% do PIB) com o abono salarial e o seguro-desemprego. Nos últimos dez anos, aponta o estudo, as despesas com os dois benefícios cresceram, em média, 1,5% ao ano acima da inflação, mais que a média de expansão do PIB de 1,3% por ano nesse intervalo.

O maior aumento ocorreu de 2009 a 2014: 7,9% de crescimento acima da inflação por ano, contra expansão média da economia de 3,4% do PIB. De 2014 a 2018, em contrapartida, os gastos caíram: 5,9% por ano descontado o INPC, enquanto o PIB recuou 1,2% anualmente no mesmo período. Apesar da queda nos anos recentes, o Tesouro considera que, no médio prazo, os gastos com o seguro-desemprego e o abono salarial crescem mais que o PIB.

Contradição

Na maioria dos países, o gasto com o seguro-desemprego cresce em períodos de recessão e caem em épocas de crescimento econômico. O estudo procurou desvendar por que ocorre o contrário no Brasil. “De fato, é bastante difundida a visão de que haveria uma relação direta e positiva entre a despesa com o seguro-desemprego e a taxa de desemprego. Entretanto, a relação observada na última década tem sido justamente a oposta”, destacou o levantamento.

Conforme o estudo, a formalização do mercado de trabalho nos anos de crescimento econômico e a política de aumentos reais (acima da inflação) do salário mínimo explicam o desempenho contraditório dos gastos com o seguro-desemprego. O trabalho destacou que a desaceleração da economia a partir de 2014 e a recessão em 2015 e 2016 interromperam a formalização do mercado de trabalho brasileiro.

Em 2001, 26,5% da população economicamente ativa trabalhava com carteira assinada. A proporção passou para 37,32% em 2013. Dessa forma, a ampliação dos gastos com o abono salarial e o seguro-desemprego decorreu da ampliação do público alvo dos programas. O gasto também foi influenciado pelo aumento real do salário mínimo.

Fonte: JL/Agência Brasil
TODAS AS NOTÍCIAS DO PORTAL
11/12/19, 22:04 | ECONOMIA - Proposta de Bolsonaro para o funcionalismo é cortar 25% do salário com uma carga horária menor
11/12/19, 21:10 | CARNAVAL - Nanda Marques é coroada rainha de bateria da Acadêmicos do Dendê
11/12/19, 21:05 | DECISÃO - Contrariando Bolsonaro, Justiça determina que PRF volte a usar radares móveis em rodovias
11/12/19, 21:00 | RECURSOS - Senado aprova transferência de verbas para prefeitos e governadores
11/12/19, 20:56 | SAÚDE - Bolsonaro faz exame para investigar possível câncer de pele
11/12/19, 18:24 | POLÊMICA - Debate sobre Carteira Verde e Amarela divide opiniões na Câmara
11/12/19, 18:17 | POLÊMICA - Justiça mantém suspensão da PEC da reforma da Previdência de São Paulo
11/12/19, 18:11 | POLÍTICA - Olavo de Carvalho, 'guru' de Bolsonaro, manda militares fecharem partidos
11/12/19, 17:53 | POLÍTICA - Lula diz que o fascismo é construído por meio da mentira: “Um miliciano não respeita ninguém”
11/12/19, 17:46 | CULTURA - Bumba Meu Boi do Maranhão se torna Patrimônio Cultural da Humanidade
11/12/19, 17:30 | SENADO - Vira lei obrigação de notificar casos de violência contra a mulher em 24 horas
11/12/19, 17:26 | POLÊMICA - CCJ do Senado confirma aprovação de PL da prisão após condenação em 2ª instância
11/12/19, 12:25 | POLÍTICA - LULA: ‘Quem está no governo está para destruir, não para construir’
11/12/19, 12:18 | POLÍTICA - Joice Hasselmann é confirmada líder do PSL na Câmara dos Deputados
11/12/19, 12:08 | ECONOMIA - Prefeito do Maranhão baixa decreto e fixa preço do quilo da carne a R$ 12 com osso e R$ 15 sem osso
11/12/19, 12:01 | INTERNACIONAL - Greta Thunberg, a “pirralha para Bolsonaro”, é eleita personalidade do ano pela revista Time
11/12/19, 11:40 | POLÍTICA - TSE confirma cassação da senadora Selma Arruda, conhecida como “Moro de saias”
10/12/19, 19:47 | SAÚDE - Anvisa atesta segurança de alimentos, mas 23% têm resíduos tóxicos
10/12/19, 19:44 | POLÍTICA - Alcolumbre não pautará votação do PL da prisão em segunda instância
10/12/19, 19:40 | ACIDENTE - Cratera se abre em obra em Brasília e arrasta quatro carros
10/12/19, 15:59 | LAVA JATO - STJ MANDA SOLTAR PEZÃO
10/12/19, 14:53 | MOBILIZAÇÃO - Trabalhadores alertam população dos riscos da carteira de trabalho verde-amarela: ‘Governo mente’
10/12/19, 14:49 | HERMANOS - Alberto Fernández toma posse como presidente eleito da Argentina
10/12/19, 13:01 | POLÍTICA - Pacote anticrime passa pela CCJ e vai ao plenário do Senado
10/12/19, 12:30 | POLÍTICA - Comissão do Senado dá primeiro passo para aprovar prisão após condenação em 2ª instância
10/12/19, 11:47 | ESPORTE - Flamengo domina premiação do Campeonato Brasileiro
10/12/19, 11:12 | PESQUISA - Datafolha: Maioria dos brasileiros considera justa liberdade de Lula após decisão do STF
10/12/19, 10:41 | POLÍTICA - Audiência Pública avaliou os impactos negativos das candidaturas avulsas
10/12/19, 10:36 | POLÍTICA - Ministro Barroso ressalta pluralidade dos debates e dos argumentos pró e contra as candidaturas avulsas
10/12/19, 10:07 | DEBATE - Strans escuta população sobre transporte público em Teresina
« Anterior 1 - 30 | 31 - 60 | 61 - 90 | 91 - 120 | 121 - 150 | 151 - 180 | 181 - 210 | 211 - 240 | 241 - 270 | 271 - 300 Próximo »
JORNAL LUZILANDIA - O Futuro Começa Aqui
Copyright 2003 - Todos os direitos reservados
SITE FILIADO À LITIS CONSULT - REPRESENTAÇÕES COMERCIAIS
CNPJ nº 35.147.883/0001-41 / CCN Comunicação.com Nordeste
Jornalista Renato Araribóia de Britto Bacellar - Homenagem Especial
Luzilândia - Teresina - Piaui - Brasil
CEP:64049-600 - Rua Lemos Cunha, 1544 - Ininga- Teresina-PI
Telefones: (86) 8804.2526 - 8100.6100
jornalluzilandia@hotmail.com | jornalluzilandia@gmail.com
création de site