CBN - A rádio que toca notícia

COVID-19

Metade das mulheres passou a cuidar de alguém na pandemia

A pesquisa revelou que para 40% das consultadas a pandemia colocou a sustentação da casa em risco, índice elevado para 63% no caso das mulheres em ambientes urbanos. Do universo pesquisado, 16% disseram estar em casa sem trabalho

03/08/20, 20:22

M
etade das mulheres brasileiras passou a cuidar de alguém na pandemia. A conclusão é de pesquisa que analisou os impactos da disseminação do novo coronavírus (covid-19) tendo como foco as mudanças no trabalho e na inserção econômica das brasileiras. Entre as mulheres do campo, o índice das que passaram a cuidar de alguém sobe para 62%. Entre as negras o percentual é de 52%, enquanto entre as brancas ficou em 46%.

O estudo, realizado pelas organizações Gênero e Número e Sempreviva Organização Feminista (SOF), identificou variações nesse fenômeno.

“O cuidado está no centro da sustentabilidade da vida. Não há a possibilidade de discutir o mundo pós-pandemia sem levar em consideração o quanto isso se tornou evidente nesse momento de crise global. Trata-se de uma dimensão da vida que não pode ser regida pelas dinâmicas sociais pautadas no acúmulo de renda e de privilégios”, defendem as autoras do estudo.

Para 72% das ouvidas, aumentou a necessidade de monitoramento e companhia. É o caso de quem possui demanda de cuidar de crianças, idosos ou pessoas com deficiência. O texto alerta que essa é uma dimensão do cuidado que muitas vezes fica inviabilizada por não se tratar de uma atividade específica, mas ocorre em paralelo às outras ocupações das mulheres, como o trabalho.

“Entre as ouvidas, 35% disseram serem as responsáveis exclusivas pelo trabalho de suas casas. A maioria diz que a divisão permaneceu a mesma ou foi reduzida. Para as mulheres, a sobreposição do cuidado, trabalho doméstico e atividade remunerada, bem como das preocupações associadas a esses, marca muito mais do que quem está trabalhando, mas se dedicando aos seus projetos”, disse Tica Moreno, socióloga da Sempreviva Organização Feminista.

Sustentação

A pesquisa revelou que para 40% das consultadas a pandemia colocou a sustentação da casa em risco, índice elevado para 63% no caso das mulheres em ambientes urbanos. Do universo pesquisado, 16% disseram estar em casa sem trabalho.

A percepção alcançou patamar maior entre as negras (55%), que também conformam 58% das desempregadas (contra 39% das brancas). Em consequência, esse é o segmento com maior percentual de pessoas trabalhando por conta própria.

“A redução do apoio externo para o cuidado é uma realidade para a maioria das mulheres, mas 42% disseram que já cuidavam de alguém e a maioria dessas mulheres são negras. Além da desigualdade entre a responsabilidade de homens e mulheres, também entre as mulheres a gente vê as diferenças marcadas pela renda e pela raça”, analisa Tica Moreno.

Sobrecarga

Entre as entrevistadas, 41% informaram ter continuado o trabalho durante a pandemia, com maior carga de tarefas. Entre brancas e negras, os percentuais foram, respectivamente, de 55% e 44%.

“Além disso, as relações entre trabalho e atividades domésticas se imbricaram ainda mais, e se antes pagar por serviços era a solução possível para algumas, a pandemia mostrou a intensificação do trabalho das mulheres”, analisam as autoras.

Violência

O estudo apontou que 8,4% das ouvidas manifestaram ter sofrido alguma forma de violência durante a pandemia. Entre as que estão na faixa de renda mais baixa, o índice sobe para 12%.

Entre as negras, as práticas violentas mais comuns são o ato de trancar em casa, bater ou espancar deixando marcas e quebrar coisas ou rasgar roupas. Já entre as brancas, as práticas mais citadas foram o controle sobre as atividades e comportamentos e a desqualificação sexual, sugerindo que procurariam outras mulheres.

A ampliação e intensificação da violência doméstica durante este período foi percebida por 91% das mulheres ouvidas. “ Compreender a disparidade entre percepções gerais das mulheres e seus relatos sobre suas experiências exige compreender e dar visibilidade a uma dinâmica complexa de formas de violências que se reproduzem nas relações cotidianas e íntimas e cujo reconhecimento é ainda um desafio que se impõe às ações de enfrentamento à violência contra a mulher”, aponta o estudo.

Na avaliação das autoras, os resultados demonstram que “as dinâmicas de vida e trabalho das mulheres se contrapõem ao discurso de que ‘a economia não pode parar’, mobilizado para se opor às recomendações de isolamento social. Os trabalhos necessários para a sustentabilidade da vida não pararam – não podem parar. Pelo contrário, foram intensificados na pandemia”, ponderam.

Metodologia

A pesquisa ouviu 2.614 mulheres em abril e maio. Os índices foram ajustados para aproximá-los de uma estimativa da composição da população brasileira.


Fonte: JL/Agência Brasil
TODAS AS NOTÍCIAS DO PORTAL
18/09/20, 18:44 | INVESTIGAÇÃO - PF investiga financiamento do governo a sites com conteúdos ‘antidemocráticos’
18/09/20, 18:29 | ESPORTE - Tite anuncia convocados para início das Eliminatórias da Copa de 2022
18/09/20, 16:18 | POLÍTICA - Vaza a pergunta que Moro faria para Bolsonaro no depoimento à PF
18/09/20, 15:27 | POLÍTICA - Brasília já tem outdoor com frase do discurso histórico de Lula: “Vamos juntos reconstruir o Brasil”
18/09/20, 15:20 | ECONOMIA - Desemprego dispara e atinge 13,7 milhões de brasileiros, diz IBGE
18/09/20, 15:16 | EDUCAÇÃO - “Professores trabalham mais e ainda enfrentam descaso do governo”, diz coordenadora da Contee
18/09/20, 15:10 | SUSTO - Por causa de fumaça de incêndios, avião com Bolsonaro arremete em MT
17/09/20, 22:02 | DESORIENTADO - Bolsonaro diz que pediu para MEC orientar estados a retornarem às aulas
17/09/20, 21:59 | PANDEMIA - Mundo ultrapassa 30 milhões de casos da Covid-19
17/09/20, 21:54 | POLÍTICA - Lula é o único que empataria com Bolsonaro no segundo turno em 2022, diz pesquisa
17/09/20, 21:46 | POLÍTICA - Bolsonaro ataca professores e diz que eles não querem trabalhar
17/09/20, 21:43 | INFRAÇÃO DISCIPLINAR - CNJ pune Bretas com censura e congelamento de promoções
17/09/20, 21:36 | INVESTIGAÇÃO - Candidata branca é aprovada na PF em cota para negros após se pintar para tentar burlar processo
17/09/20, 10:34 | POLÍTICA - Reforma administrativa de Bolsonaro também vai enfraquecer o mercado, diz economista
17/09/20, 10:30 | POLÍTICA - Entidades e parlamentares realizam ato virtual nesta quinta-feira contra os cortes no orçamento da Educação
17/09/20, 10:24 | POLÍTICA - Bolsolula: Bolsonaro chega ao Nordeste querendo ser Lula
17/09/20, 05:31 | POLÍTICA - Seduc e Sesapi promovem formação sobre protocolo de saúde
17/09/20, 05:03 | RECOMENDAÇÃO - CNJ se irrita com decisão política de Fux pró-Lava Jato
17/09/20, 05:00 | PANDEMIA - Associação de médicos diz que não retomará trabalhos nas agências do INSS
17/09/20, 04:55 | CRIME - Senadores vão ao Pantanal acompanhar incêndios e prometem mudança na legislação
17/09/20, 03:28 | INVESTIGAÇÃO - PF intima Carlos e Eduardo Bolsonaro para depoimentos sobre atos golpistas contra o STF e Congresso Nacional
16/09/20, 16:32 | POLÍTICA - Presidente da Câmara dos Deputados testa positivo para Covid-19
16/09/20, 16:26 | CRISE - Celebridades entram em greve contra Facebook e Instagram
16/09/20, 16:23 | INTERNACIONAL - ONU quer investigar violações de direitos humanos no Brasil
16/09/20, 15:34 | INVESTIGAÇÃO - Líder de Bolsonaro é suspeito de receber propina da Queiroz Galvão
16/09/20, 15:29 | MEIO AMBIENTE - Onças com patas queimadas e animais carbonizados ‘são a imagem do Brasil sob Bolsonaro’
16/09/20, 15:19 | CARTA - 8 países da Europa dizem que desmatamento dificulta comércio com Brasil
16/09/20, 15:16 | POLÍTICA - AGU: cabe a Câmara e Senado decidir sobre reeleição de presidentes
16/09/20, 14:12 | INVESTIGAÇÃO - PGR investiga rachadinha no gabinete de Bolsonaro na Câmara dos Deputados
16/09/20, 13:42 | POLÍTICA - Coração de pedra, Bolsonaro corta Auxílio Emergencial de 6 milhões de pessoas
« Anterior 1 - 30 | 31 - 60 | 61 - 90 | 91 - 120 | 121 - 150 | 151 - 180 | 181 - 210 | 211 - 240 | 241 - 270 | 271 - 300 Próximo »
JORNAL LUZILANDIA - O Futuro Começa Aqui
Copyright 2003 - Todos os direitos reservados
SITE FILIADO À LITIS CONSULT - REPRESENTAÇÕES COMERCIAIS
CNPJ nº 35.147.883/0001-41 / CCN Comunicação.com Nordeste
Jornalista Renato Araribóia de Britto Bacellar - Homenagem Especial
Luzilândia - Teresina - Piaui - Brasil
CEP:64049-600 - Rua Lemos Cunha, 1544 - Ininga- Teresina-PI
Telefones: (86) 8804.2526 - 8100.6100
jornalluzilandia@hotmail.com | jornalluzilandia@gmail.com
création de site