CBN - A rádio que toca notícia

POLÍTICA

Reforma administrativa de Bolsonaro também vai enfraquecer o mercado, diz economista

“Temos que ter um Estado forte para termos um mercado forte”, diz João Sicsú. Para Maria Lúcia Fattorelli, “problema do gasto público não está no servidor, mas nos mecanismos que geram dívida pública”

17/09/20, 10:34

"O
que todas as experiências têm mostrado é que onde os Estados são fracos, os mercados também são fracos. O que a gente tem que ter é um Estado forte, atuante, para termos um mercado forte.” A avaliação é o do economista e professor da Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ) João Sicsú, sobre a proposta de reforma administrativa do governo, a PEC 32/2020 (leia a íntegra aqui).

A proposta, baseada na ideia do Estado mínimo e seguir na esteira da demonização do servidor público, agrada ao mercado que, para o analista, o impacto que ambos os conceitos causarão ao próprio mercado. “Existe uma campanha feita há muitos anos, no mundo inteiro, desde os anos 80, para desvalorizar a atividade do Estado e a atividade pública, em oposição a valorizar o mercado e atividade provada. Mas nenhuma experiência histórica mostra que uma sociedade pode se desenvolver com Estado fraco.”

Um dos idealizadores do texto enviado à Câmara dos Deputados, Paulo Uebel, ex-secretário especial de Desburocratização, Gestão e Governo Digital do Ministério da Economia, defendeu nesta quarta-feira (16),  em entrevista ao Congresso em Foco, que a proposta “poderia ter um alcance maior” e produzir o “dobro de economia” aos cofres públicos. O ex-assessor direto de Paulo Guedes quer incluir os servidores em atividade na reforma, que prevê as alterações a partir dos futuros contratados.

Complementares

Para Sicsú, a complementaridade entre a presença do poder público e o fortalecimento mais abrangente e duradouro da economia não está no horizonte “desses que querem só mercado para poucos e uma concentração de renda e riquezas muito grandes”. Em resumo, uma sociedade “para todos” depende de um Estado forte e atuante. O economista observa como exemplo a educação de nível superior. “As universidades privadas tentam melhorar quando as públicas mostram sua qualidade. Se as universidades públicas forem ruins, as privadas também serão.”

Maria Lucia Fattorelli, coordenadora nacional da Auditoria Cidadã da Dívida Pública, discorda do argumento usado pelo governo Bolsonaro – sanear a saúde fiscal do Estado – para elaborar a proposta, jogando a responsabilidade sobre o funcionalismo. “A desculpa de sempre é que tem que cortar gastos. Mas o problema do gasto público não está no servidor. Está sim no problema financeiro, no financiamento da política monetária do Banco Central. São os mecanismos de política monetária do BC que geram dívida pública”.

Veja gráfico comparativo entre os anos de 2013 e 2019:

A proposta de reforma administrativa do governo, destaca Sicsú, se apoia em uma visão de economia “para poucos, muitos desempregados, milhões de miseráveis e alguns poucos com muita renda e riqueza, assim como  algumas empresas também, em geral de produção ou extração de produtos básicos”. Essa economia, acrescenta, deixa 150 ou 160 milhões de brasileiros excluídos de uma vida digna.

Mobilização

Nesta quinta-feira (17), às 19 h, servidores públicos promoverão um tuitaço contra esse projeto de reforma administrativa. A Confederação dos Trabalhadores no Serviço Público Federal (Condsef) e Federação Nacional dos Trabalhadores do Serviço Publico Federal (Fenadsef) alertam que a reforma vai na contramão das necessidades do país.

Em vez de “enxugar a máquina”, dizem as entidades, a necessidade é de contratação por concursos públicos. “Desde a década de 90, a população brasileira cresceu, enquanto a quantidade de servidores ativos permanece mais ou menos a mesma”, dizem.

PEC da rachadinha

Com a eliminação de concursos, e a consequente abertura de contratação terceirizada, ficará institucionalizada a chamada rachadinha, argumentam, já que “funcionários poderão ser contratados sem critérios claros, o que estimularia a corrupção.”

O próximo 30 de setembro será o Dia Nacional de Luta para o funcionalismo público. Entre as ações programadas, está “o amplo debate sobre a construção e deflagração de uma greve geral do setor”. No dia 28 de outubro será o Dia Nacional do “Eu Luto Pelos Serviços Públicos”.

Edição: Fábio M. Michel

Fonte: JL/RBA
TODAS AS NOTÍCIAS DO PORTAL
26/10/20, 17:58 | INTERNACIONAL - Biden tem 52% das intenções de votos nos EUA, contra 45% de Trump
26/10/20, 17:48 | INTERNACIONAL - Em plebiscito, chilenos votam por redigir nova Constituição
26/10/20, 17:26 | POLÍTICA - Confaz divulga nova tabela de preços médios de combustíveis
26/10/20, 17:16 | ESPORTE - Eliminatórias: Conmebol confirma datas e horários das próximas rodadas
26/10/20, 17:10 | POLÍTICA - Dino: “Será que Bolsonaro não entende que dose de vacina é muito mais barata do que internação?”
25/10/20, 17:56 | PANDEMIA - Em 2ª onda de covid-19, Espanha declara estado de emergência até abril
25/10/20, 17:50 | POLÍTICA - Liszt Vieira: ‘O Brasil que pensa, sonha e sente, mostra indignação e vai à luta’
25/10/20, 17:43 | PANDEMIA - Vacina, não; veneno, sim. Governo Bolsonaro libera 10 agrotóxicos produzidos na China
25/10/20, 17:27 | CRIME - Mais de 2 milhões de pessoas vivem sob ameaça de milícias no RJ, diz deputada
25/10/20, 14:06 | POLÍTICA - Candidato mais rico do Brasil confirma candidatura após ser alvo de operação da Polícia Federal
25/10/20, 13:24 | CONHECIMENTO - Bienal do Rio promove Festival Conexões com pensadores e escritores
25/10/20, 13:21 | PANDEMIA - Mortes por covid-19 chegam ao menor nível desde maio, diz Fiocruz
24/10/20, 22:04 | POLÍTICA - Apoio de Bolsonaro prejudica candidaturas
24/10/20, 21:34 | PANDEMIA - Impasse pode atrasar vacinação, diz secretário de SP sobre Coronavac
24/10/20, 21:29 | POLÍTICA - Bolsonaro sugere que vacinação obrigatória é só para cachorro
24/10/20, 21:26 | INTERNACIONAL - ONU comemora 75º aniversário sem esquecer de crise mundial
24/10/20, 20:55 | POLÍTICA - Plataforma ajuda a escolher e acompanhar vereadores para eleições
24/10/20, 20:51 | POLÍTICA - Quatro fazendeiros perdem direito de usar suas terras no Pantanal por provocarem incêndios
24/10/20, 20:36 | POLÍTICA - Em crítica à ‘guerra das vacinas’, Lula posta foto de quando foi vacinado por Serra
24/10/20, 20:24 | POLÍTICA - Rodrigo Maia ataca Ricardo Salles e diz que ministro “resolveu destruir o próprio governo”
23/10/20, 19:18 | POLÊMICA - Lewandowski envia para o plenário ação sobre vacinação obrigatória da Covid-19
23/10/20, 19:08 | EDUCAÇÃO - Censo mostra que ensino a distância ganha espaço no ensino superior
23/10/20, 19:06 | ESPORTE - Tite convoca seleção para Eliminatórias da Copa do Mundo, em novembro
23/10/20, 18:59 | POLÍTICA - Em vídeo, candidato em Belém diz que vai “roubar para beber com amigos”
23/10/20, 18:54 | INTERNACIONAL - COVID-19: Biden promete vacina contra covid-19 gratuita se vencer as eleições
23/10/20, 18:46 | ESPORTE - Pelé completa 80 anos sem perder a majestade
23/10/20, 18:42 | PANDEMIA - Bolsonaro acabará correndo atrás de vacina chinesa
23/10/20, 17:33 | DOCUMENTÁRIO - Filme “Abraço” retrata o desafio de ser professor no Brasil
23/10/20, 00:46 | POLÍTICA - General Santos Cruz detona Bolsonaro e sua "mediocridade extrema"
22/10/20, 20:56 | PANDEMIA - Covid-19: Brasil tem 24,8 mil novos casos e mais 497 mortes em 24h
« Anterior 1 - 30 | 31 - 60 | 61 - 90 | 91 - 120 | 121 - 150 | 151 - 180 | 181 - 210 | 211 - 240 | 241 - 270 | 271 - 300 Próximo »
JORNAL LUZILANDIA - O Futuro Começa Aqui
Copyright 2003 - Todos os direitos reservados
SITE FILIADO À LITIS CONSULT - REPRESENTAÇÕES COMERCIAIS
CNPJ nº 35.147.883/0001-41 / CCN Comunicação.com Nordeste
Jornalista Renato Araribóia de Britto Bacellar - Homenagem Especial
Luzilândia - Teresina - Piaui - Brasil
CEP:64049-600 - Rua Lemos Cunha, 1544 - Ininga- Teresina-PI
Telefones: (86) 8804.2526 - 8100.6100
jornalluzilandia@hotmail.com | jornalluzilandia@gmail.com
création de site